Um milhão de alunos voltam às aulas nesta quarta-feira (21), nos colégios estaduais do Paraná. São 2,1 mil escolas que irão abrir os portões aos professores, estudantes e servidores após o recesso escolar provocado por férias ou mesmo pela pandemia do coronavírus, sendo 155 em Curitiba e na região metropolitana. O retorno é considerado seguro pelo governo estadual devido à queda na taxa de transmissão do coronavírus nos municípios e à vacinação dos profissionais da educação.

Até o recesso escolar, em 9 de julho, 55% (1.049) dos 2,1 mil colégios estaduais já haviam retomado total ou parcialmente o ensino presencial no modelo híbrido. Com o início do segundo semestre letivo, 1.051 reabrem nesta quarta. Vale reforçar que algumas escolas que já estavam funcionando irão ampliar a capacidade de atendimento a séries e turmas.

Com a proteção da vacina

A vacinação é considerado o fator mais importante para a reabertura, garantindo mais proteção à comunidade escolar. A partir do início de agosto, a maioria dos profissionais da Educação irão receber a segunda dose da vacina, já que mais de 93% desse público recebeu vacinas de fabricantes que têm 90 dias de intervalo entre as doses. Mais de um terço das doses (75.333) foi aplicado em pessoas de 40 a 49 anos, sendo 38.889 entre 40 e 44 anos e 36.444 entre 45 e 49 anos, as duas principais faixas etárias.

No Colégio Estadual Prof.ª Marli Queiroz de Azevedo, na Cidade Industrial de Curitiba, todos os 103 trabalhadores da instituição foram vacinados. “A última professora tomou há pouco tempo, pela idade de 41 anos, pois na vez pela escola tinha testado positivo para a covid-19 e não podia tomar. Outros haviam tomado a vacina da gripe e precisaram esperar 15 dias, mas agora todos já receberam”, diz a diretora Tânia Sugamosto Hennequin.

A escola retomou as atividades presenciais no dia 21 de junho com todas as suas 47 turmas regulares dos ensinos fundamental II e médio em três períodos. Quase 40% dos mais de 1,6 mil estudantes já voltaram. “Como nós tomamos os cuidados e está tudo muito bem organizado, a maioria não teve receio em retomar as aulas, mas naturalmente existia uma preocupação. Com a vacinação, os professores e funcionários se sentiram mais seguros”, relata.

Determinações contra o covid-19

Mesmo com o retorno das aulas e a estabilidade nos casos de covid-19 nos municípios, a orientação da Secretaria Estadual de Educação (Seed) é que a proteção contra a doença precisa ser prioridade. A Secretaria distribuiu equipamentos de proteção individual aos professores, além de instalar totens com álcool em gel e tapetes sanitizantes, nas entradas das escolas e das salas de aula. Além disso, a temperatura de todos será aferida entrar nas unidades, uso obrigatório de máscara para profissionais e estudantes; horários escalonados para evitar aglomerações, interdição de bebedouros coletivos, distanciamento social de 1,5 metro e desinfecção da mobília e materiais em geral com álcool 70%.

“É importante reabrir. A escola precisa do aluno e o aluno precisa da escola para um futuro melhor. Que a gente consiga ter uma escola aberta, uma escola segura e que volte a ser frequentada pelos alunos. Esse semestre foi desafiador como todo o ano passado. Mas conseguimos alcançar a vacinação em massa”, afirmou o secretário estadual de Educação e do Esporte, Renato Feder.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui