Londrina é a cidade com mais óbitos pela doença no estado; relatório divulgado nesta terça (27) mostra que houve aumento de 1.967 diagnósticos e uma morte, em comparação com a semana anterior.

O número de casos confirmados de dengue no Paraná chegou a 11.876, de acordo com boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), nesta terça-feira (27). Na comparação com o boletim da semana anterior, houve aumento de 1.967 diagnósticos.

O período epidemiológico analisado começou em agosto de 2020 e continua até o final de julho de 2021.

Na atualização desta terça-feira, houve registro de uma nova morte. A vítima era uma mulher de 67 anos, sem comorbidades. Com essa, ao todo, são 19 mortes pela doença no estado.

Total de óbitos por cidade no período:

  • Londrina: 6 mortes;
  • Foz do Iguaçu: 3 mortes;
  • Paranaguá e Cambé: 2 mortes cada;
  • Apucarana, Paraíso do Norte, Santo Antônio do Caiuá, Maringá, Assaí, Alvorada do Sul: 1 morte cada.

Segundo o relatório, 355 municípios apresentaram notificações da doença e 257 têm casos confirmados.

O estado totaliza 60.014 notificações para a dengue – 4.816 a mais que o informe anterior.

Do total de casos confirmados, 10.464 são casos autóctones – quando as pessoas contraem a doença na cidade onde moram, e 33 casos são importados.

Conforme o relatório, 11.454 casos estão em investigação.

Regionais de saúde com mais casos de dengue

  • Londrina: 2.485
  • Paranaguá: 2.300
  • Ponta Grossa: 1.400
  • Campo Mourão: 1.286
  • Foz do Iguaçu: 1.151
  • Toledo: 867
  • Paranavaí: 548
  • Maringá: 413
  • Umuarama: 382
  • Cascavel: 378

Zika e Chikungunya

Os dados apontam 209 notificações para Chikungunya. Foram 35 casos confirmados, sendo 33 autóctones e dois casos importados de outro estado.

Em relação aos registros de Zika vírus, o Paraná tem 51 notificações e um caso confirmado.

Cuidado

A Sesa afirmou que a maioria dos criadouros do mosquito estão nos domicílios, em recipientes e locais que acumulam água.

“Mesmo diante do enfrentamento da pandemia da Covid-19 não podemos nos descuidar da dengue que continua provocando mortes e internamentos. A ação de cada cidadão, eliminando os focos e criadouros é fundamental para a redução de casos”, disse o secretário de Saúde Beto Preto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui