Fruta exótica vem crescendo no gosto popular brasileiro. Cultivo não usa agrotóxicos, e produtores precisam ficar atentos à polinização das flores, que se abrem pela noite.

Apelidada de fruta dragão, a pitaia é grande e cheia de escamas. Diferente por fora, impressionante por dentro. A pitaia vermelha, que é a mais conhecida no mercado, tem uma coloração de encher os olhos. Apesar disso, a produção exige muitos cuidados.

O agricultor Luiz Volpato trocou um parreiral de uvas que tinha pela produção de pitaia. O produtor contou que fez a troca pela curiosidade que teve pela fruta e pelo modo de cultivo.

A casca da pitaia é rígida, o que a torna bem resistente a doenças. O cultivo é feito sem agrotóxicos, mas a fruta requer cuidados na hora do manejo. O plantio é feito com estacas, para conduzir o crescimento dos pés.

“Você planta, ela vem subindo. Quando a gente vai fazer o plantio dela, a gente tem que pensar em um sistema de longo tempo, porque é uma planta que tem uma longevidade muito boa”, explicou Volpato.

A safra da pitaia vai de dezembro a maio. As frutas se desenvolvem em ritmos diferentes. O mesmo pé pode ter, ao mesmo tempo, botões, flores e frutas.

A flor da pitaia fica aberta de 12 a 14 horas. Ela abre no começo da noite e se fecha pela manhã. Nesse meio tempo, o produtor tem que correr pra polinizar a planta.

Em quatro hectares de terra, Volpato cultiva cerca de sete mil pés de pitaia. Nesta safra, ele espera produzir 40 toneladas da fruta.

A produção é vendida para várias regiões do Paraná e para compradores de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. O agricultor conta que o mercado da pitaia está mudando.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui