Era em torno de 8h da manhã de terça-feira(24) quando a universitária Mariana Bazza, de 19 anos, saiu de uma academia, em Bariri,SP, acompanhada de uma colega. A colega pegou sua motocicleta e saiu do local.

Mariana foi pegar o seu veículo e percebeu que o pneu estava murcho. Logo em seguida, de acordo com as imagens, um homem se aproximou da jovem. As imagens registradas por câmeras de segurança mostram Mariana manobrando o seu veículo e entrando em uma chácara defronte à academia local para onde o homem teria ido.

Por volta de uma hora depois, o veículo saiu do local, mas não é possível identificar pelas câmeras quem está ao volante. Percebe-se que alguém, do lado do motorista, abriu a porta, desceu e a seguir retornou para o veículo saindo a seguir.

Na chácara, enquanto o rapaz trocava o pneu do carro, Mariana o fotografou, e enviou a foto para seu namorado, Jeferson Viana, tenente da Marinha e que estava em Santos (SP) naquele momento, contando que aquele rapaz a estava ajudando trocando o pneu do carro que estava murcho.

O homem foi identificado pela polícia como Rodrigo Pereira Alves, o Rodriguinho, de 37 anos. Ele estava foragido mas foi localizado em Itápolis, cidade vizinha de Bariri, escondido em um telhado.

O rapaz inicialmente confessou que matou Mariana a facadas. O corpo da jovem foi encontrado por volta do meio-dia de quarta-feira (25).  Estava enterrado em uma cova rasa, com as mãos amarradas para trás e amordaçada, em uma área de canavial em Cambaratiba, distrito de Ibitinga, cidade próxima a Bariri.

A família de Mariana entrou em total desespero depois de ter confirmada a sua morte. Com a notícia de que o suspeito havia confessado o crime, o pai, Airton Bazza, e o namorado acompanharam os policiais até o local do corpo, mas foram orientados a não chegar perto.

A mãe Mariana, Marlene Aparecida Forti Bazza, foi hospitalizada e sedada novamente quando recebeu a notícia da morte da filha.

Airton Bazza declarou: “Minha mulher está desesperada, minha vida acabou, ele matou minha filha, meu anjo. Ele acabou com a nossa vida”, aos prantos.

O namorado da jovem contou que quando a namorada mandou a foto de Rodriguinho trocando o pneu, ela não estava com medo, apenas quis mostrar o que acontecera com o carro. “Os dois deram acharam graça na situação e logo depois o namorado mandou uma foto da solenidade que estava participando,  estava fardado, de branco, porque sabia que ela gostava. Ele chegou a postar um desabafo em seu facebook sobre o crime bárbaro com a sua namorada.

O namorado postou uma homenagem seguida de desabafo no facebook. Imagem:Facebook

 

Investigações

Segundo os Delegados Marcílio Frederice de Mello e Durval Izar, que atuam nas investigações e atuaram nas diligências, o laudo do IML poderá confirmar a causa da morte de Mariana.

O Delgado Marcílio disse que a faca encontrada embaixo do banco do veículo, fora furtada da chácara em Bariri, porém, não foi utilizada para o crime. “Talvez tenha sido utilizada para intimidar a jovem, mas não foi a causa da morte”, completou.

No automóvel os policiais não encontraram sinais de sangue, mas marcas de que naquele veículo houve uma luta. Cabelos, possivelmente da vítima, foram recolhidos.

Questionado se o corpo apresentava sinais de agressão, o delegado afirmou que devido ao estado do corpo, que passou mais de 24 horas abandonado naquele local não dá para afirmar nada. “Vamos esperar os laudos para colocar mais informações sem sentido nesse caso”, explicou.

Integrantes da investigação afirmaram que Rodriguinho contou ter matado a jovem ainda na chácara onde ele estava trabalhando e foi utilizada para trocar o pneu do carro de Mariana. Ele também teria afirmado que abusou sexualmente da vítima, mas voltou atrás na confissão e colocou a culpa da morte em uma terceira pessoa.

“Temos uma gama de provas que nos garantem que ele agiu sozinho. Câmeras de segurança registraram os movimentos dele pela cidade de Bariri e pela rodovia Deputado Leônidas Pacheco Ferreira (SP-304) onde o carro da jovem foi flagrado em cima da ponte do Rio Jacaré Pepira por volta das 11h30 de ontem. Dali até o onde o corpo foi deixado é coisa de 20 minutos”, contou o delegado Marcílio Frederice.

O suspeito estava preso até pouco menos de um mês atrás. Ele já teve passagem por furto, extorsão, tentativa de latrocínio contra uma policial civil, estupro e outros delitos. Ao todo passou 12 de seus 33 anos no sistema prisional.

A jovem foi sepultada sob forte comoção no início da tarde desta quinta-feira (26), no cemitério municipal da cidade. Parentes, amigos e moradores que acompanharam o caso estiveram presentes no velório, que se estendeu durante a madrugada e a manhã. E no enterro, segundo um funcionário do cemitério, cerca de 1 mil pessoas estiveram presentes no sepultamento, que ocorreu às 13h.

(com informações de Pragmatismo Politico e G1 – Imagens: Facebook)

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui